POR UMA ANÁLISE RÍTMICA

  • Nils Goran Skare

Resumo

Este artigo busca elaborar um conceito semiótico operacional de ritmo com base em três paradigmas teóricos: a psicanálise de Jacques Lacan, as práticas de significação de Julia Kristeva e elementos da práxis desconstrucionista de Jacques Derrida. Elaboramos do primeiro autor o conceito de nó borromeano (imaginário, simbólico e real) e, de sua semiótica, o significante-fálico e o mestre; da segunda autora, a análise das práticas de significação divididas em: narrativa, metalinguagem, teoria e texto; do terceiro os elementos de suplemento e clausura. Abordando o ritmo, ligamos a repetição ao significante-fálico e a diferença ao significante-mestre. Com base nisso, analisamos as quatro práticas kristevanianas. Definimos então operacionalmente o ritmo como uma sucessão de diferentes significantes-mestres e significantes-fálicos que se alternam numa clausura. Em nossa discussão exploramos o conceito em três exemplos ortogonais: o conto Berenice de Edgar A. Poe, a canção Blowin’ in the Wind de Bob Dylan e o comercial de televisão Ford Fusion Daqui a 5 anos. No primeiro distinguimos o ritmo poético de um trecho em prosa; no segundo encontramos um ritmo que pede pela emergência do Real; e no terceiro encontramos uma clausura ideológica. Além dos exemplos discutimos a noção de différance no pensamento de Derrida, que caracterizamos como deferindo sentido ao significado e diferindo os significantes entre si. Propomos, para reflexões futuras, que o ritmo se encontra entre o pensamento e a linguagem, e defendemos nossa definição como uma delimitação útil à criação, tradução e/ou crítica por envolver operações simples e recursivas.

Downloads

Não há dados estatísticos.
Publicado
Mai 29, 2010
Como citar
SKARE, Nils Goran. POR UMA ANÁLISE RÍTMICA. Linguagens - Revista de Letras, Artes e Comunicação, [S.l.], v. 3, n. 1, p. 44 - 62, maio 2010. ISSN 1981-9943. Disponível em: <https://bu.furb.br/ojs/index.php/linguagens/article/view/1771>. Acesso em: 15 ago. 2022. doi: http://dx.doi.org/10.7867/1981-9943.2009v3n1p44 - 62.
Seção
Artigos

Palavras-chave

Lacan. Kristeva. Derrida. Ritmo. Différance.