Presenças de Luiz Gonzaga em “Lua lua lua lua” de Caetano Veloso

Resumo

O propósito fundamental deste artigo é apresentar uma escuta/leitura semiótica da canção “Lua lua lua lua”, de Caetano Veloso. Para tanto, são valorizadas, sobretudo, as noções de figuratividade/iconicidade e intertextualidade; é feita a investigação das relações implícitas que o texto do cancioneiro baiano faz com outro texto, “Asa Branca”, de Luiz Gonzaga e Humberto Teixeira. Na prática dessa análise cancional, é estruturada a junção das instâncias verbais e melódicas, em busca de seu mapeamento tensivo. O artigo se fundamenta no modelo semiótico clássico desenvolvido por Greimas – cujos fundamentais operadores são o percurso gerativo do sentido do texto e o quadrado semiótico –, considerando seus desdobramentos efetuados por Bertrand na semiótica figurativa, e por Zilberberg, no campo das indagações tensivas. Os princípios da semiótica da canção são pautados conforme Tatit. As questões sobre a teoria da música são pontuadas consoante Med.
Publicado
Dez 20, 2021
Como citar
NAILDE NUNES BARROSO, Érica; AMÉRICO BEZERRA SARAIVA, José. Presenças de Luiz Gonzaga em “Lua lua lua lua” de Caetano Veloso. Linguagens - Revista de Letras, Artes e Comunicação, [S.l.], v. 15, n. 3, p. 063-076, dez. 2021. ISSN 1981-9943. Disponível em: <https://bu.furb.br/ojs/index.php/linguagens/article/view/9418>. Acesso em: 17 maio 2022. doi: http://dx.doi.org/10.7867/1981-9943.2021v15n3p063-076.
Seção
Artigos

Palavras-chave

Semiótica da canção; Intertextualidade; Figuratividade; Tensividade