Menu Content/Inhalt
Home arrow Notí­cias arrow Rodrigo Oliveira lança livro de contos em Blumenau
Rodrigo Oliveira lança livro de contos em Blumenau Imprimir E-mail

O escritor e publicitário Rodrigo Oliveira lança "Selenita", seu primeiro livro, na próxima terça-feira, 07/11, nas dependências do Butiquin Wollstein, em Blumenau, à partir das 20 horas.

"Selenita" foi publicado com recursos do Fundo Municipal de Cultura de Blumenau, e reúne contos que Oliveira escreveu em diferentes momentos de sua vida. Alguns textos incluídos na obra foram originalmente publicados no site "Duelo de escritores", do qual o autor participava. A ilustração da capa é assinada pelo artista plástico Nestor Jr.

convite
 

Texto da orelha do livro*

 

Selena, aquela que “rodopiava pela grama sem espantar o orvalho”, tão leve, “orbitava a vida, de saia rodada rodando o mundo”. Eis a palavra sensível de Rodrigo Oliveira, capaz de perceber Selena onde todos percebemos multidão, capaz de notar um moinho “em um tempo que já não enxerga gigantes”. Nestes dias que correm, de tantas palavras ocas, Rodrigo é Quixote que se entrega, tal qual um dos seus personagens, à sopa de verbo ainda que na pobreza de víveres, e assim sabemos, soledade, da existência de velho Genaro, apaixonado por Cida, no Cine L’Amour. Amor pornô? – indagamos. E a resposta nos surge como uma Macabéa travestida de senhor, de cinema, de saudade. “Selenita” – primeiro livro de Rodrigo Oliveira – nasce assim sob o signo do engenho e da sensibilidade. O engenho de Maira Maíra, que “mastigou mato maligno, minguando muda”, e a sensibilidade de um narrador capaz de ouvir os homens do mar, atracados na praia e na miragem.

Os 21 contos que compõem “Selenita”, distribuídos em dois “quinhões” – o primeiro, cartografia da alma; o segundo, engenharia narrativa – , apresentam-nos um autor que surpreende com seu universo temático e o requintado uso da palavra. Em alguns contos somos desafiados a um jogo, como quando perguntados a respeito do protagonista (“quem é o protagonista?”); em outros, o convite ao inusitado e ao extraordinário. Neste pêndulo, Rodrigo nos convida a conhecer a árvore de Herr Voss, acomodados sobre as possibilidades de um Fokker Dreidecker, “a estática do ar passando ligeiro por suas asas”; bem como nos remete ao já distante ano de 1920, onde os “Irmãos Van Loon” competiam pelos Países Baixos o cabo-de-guerra nas Olimpíadas. São textos mágicos estes de Herr Voss, Van Loon! Textos de uma tradição narrativa que um dia quase perdemos em meio aos tantos experimentalismos literários, mas que “Selenita” nos devolve com a força da criatividade e da fabulação. A mesma fabulação que nos coloca em suspenso aguardando as sete badaladas, ou investigando gárgulas no interior campestre de uma França que não mais cremos, mas que está lá!

Há de se fazer a travessia, Leitor, neste principado de um livro pleno! Há de se tomar “o último café de Peter”. O convite está feito, e vale a pena!

 

* Texto da orelha por Viegas Fernandes da Costa.

 
< Anterior   Próximo >

Artigos já publicados

“O espetáculo mais triste da Terra”

capaEm 2011 o jornalista Mauro Ventura lançou, pela Companhia das Letras, o livro “O espetáculo mais triste da Terra: o incêndio do Gran Circo Norte-Americano”, no qual procura construir um relato possível a respeito de uma das maiores tragédias da história circense de todos os tempos: o incêndio que em 17 de dezembro de 1961 destruiu o circo de Danilo Stevanovich, matando centenas de pessoas. O Sarau Eletrônico comenta o livro.

Leia mais...