Menu Content/Inhalt
Home arrow Notí­cias arrow Norbert Elias por ele mesmo
Norbert Elias por ele mesmo Imprimir E-mail

capaNeste breve texto o jornalista e mestrando em Educação Tiago Ribeiro Santos apresenta e indica o livro “Norbert Elias por ele mesmo”, que reúne entrevistas e depoimentos deste intelectual alemão, autor de obras importantes como “O processo civilizador”.

Norbert Elias por ele mesmo

Tiago Ribeiro Santos
Jornalista e mestrando em Educação na FURB

capaEstou lendo o livro Norbert Elias por ele mesmo que, como diz o título, é escrito por Norbert Elias (1890-1987), sociólogo alemão de origem judaica. O autor é conhecido principalmente pelas obras A Sociedade de Corte, O Processo Civilizador I e II, Mozart: sociologia de um gênio e A sociedade dos indivíduos. Publicado em 1990, três anos após a sua morte, Norbert Elias por ele mesmo se abre tanto à curiosidade quanto à reflexão dos leitores. Embora traga predominantemente informações da vida particular do autor, o livro contém, além disso, textos relativos a sua perspectiva científica.  Eles esclarecem, acredito, até mesmo aos leitores iniciantes em sua obra, os princípios que contribuem na definição de processo civilizador, de figuração e de outros conceitos eliasianos. Deste modo, o livro está dividido em duas partes. A primeira se chama “Entrevista biográfica com Norbert Elias”, e a segunda “Notas biográficas”.

A primeira parte é composta por uma longa série de entrevistas concedidas por Norbert Elias à A. J. Heerma van Voss e A. van Stolk. Nelas, o sociólogo fala principalmente de sua infância na cidade natal (Breslau), de suas relações familiares e de sua fuga da Alemanha nazista em 1933, exilando-se na Suíça e depois na França. Durante a entrevista, notadamente, Norbert Elias não se deixa seduzir pelas perguntas. Sem abdicar de seu sistema teórico, o autor oferece um interessante exemplo de autoanálise à medida que se apóia em pressupostos sociológicos para orientar sua fala. Assim, evita respostas instantâneas e estabelece diálogos com os entrevistadores, pautando-se pelo sentimento científico que lhe é inerente.

A segunda parte contém reflexões de Elias mais relativas a sua obra, seu sistema teórico, dando a entender as potencialidades e os limites dele, além de outros textos em que o autor comenta suas relações com os sociólogos Alfred Weber (irmão de Max Weber) e Karl Mannheim, ambos marcantes no desenvolvimento do seu pensamento. Poderá se observar, nestes textos, esclarecimentos a respeito da tomada de posição científica do autor.  Elias posicionou-se a favor da criação de uma ‘terceira via’ para além das dicotomias entre objetivismo/subjetivismo, sociedade/indivíduo; estrutura/ação etc. fortemente estabelecidas nas ciências humanas de até então.

Em suma, os relatos de Norbert Elias por ele mesmo nos levam a confirmar a tese de que na base das grandes conquistas do pensamento e da humanidade estão os conflitos tanto individuais quanto sociopolíticos e científicos. No âmbito científico, além de adotar a ‘terceira via’, o autor insistia na possibilidade de analisar sociologicamente aspectos das relações humanas tomando longos períodos históricos como referência. Estas decisões custaram a Elias uma vida inteira de trabalhos, abrindo mão de possíveis filhos e casamento. Consequentemente, ao contrariar as perspectivas sociológicas dominantes de seu tempo, como pode ser observado no livro, o pensamento de Norbert Elias foi motivo de risos e dúvidas por parte de integrantes dos grupos de pesquisa por onde passou. Além de outros motivos, Elias só teve sua obra consagrada a partir da década de 70. E que hoje, acredito, atinge o estatuto de uma obra razoavelmente imorredoura.

 
< Anterior   Próximo >

Artigos já publicados

As Confissões Prematuras de Salim Miguel

Aos que duvidam da qualidade da literatura produzida em Santa Catarina, seja em seus aspectos estéticos, seja na sua proposta de vanguarda, ler “As Confissões Prematuras”, de Salim Miguel, é passo certo para que mude de opinião. Publicada em 1998 pela editora Letras Contemporâneas, de Florianópolis, esta novela ousa na estrutura e naquilo que tem a dizer, inscrevendo seu autor entre os grandes escritores da prosa contemporânea.

Leia mais...