Menu Content/Inhalt
Home arrow Notí­cias arrow Inaugurada Biblioteca Comunitária da Vila União
Inaugurada Biblioteca Comunitária da Vila União Imprimir E-mail

Blumenau – Inaugurada na tarde de 13 de julho de 2008 a Biblioteca Comunitária da Vila União, no bairro Itoupava Central. Com um acervo inicial de 500 exemplares, a Biblioteca foi construída no interior de um galpão abandonado de uma indústria de brinquedos.

img1A idéia de uma biblioteca para a comunidade da Vila União surgiu em 2005, e contou com o apoio do Fórum dos Movimentos Sociais de Blumenau. Porém a inauguração do espaço só se tornou possível a partir de um projeto submetido ao Fundo Municipal de Cultura, em março de 2008, pela professora Eliana Batista da Silva Schloegel e pelo advogado Alexandre Schloegel. Com os recursos repassados pelo Fundo, a comunidade pode adquirir um microcomputador, mobiliário, estantes e assinaturas de jornais e revistas para a Biblioteca. Os livros foram doados por pessoas físicas, sebos e outras bibliotecas, dentre as quais está a Biblioteca Universitária da FURB.

Segundo Eliana Schloegel, “o que se quer mesmo é uma biblioteca onde a informação, a cultura e o lazer façam parte do cotidiano dessa comunidade”.

img2A Vila União.

A Vila União, localizada no bairro Itoupava Central, em área contígua ao Aeroporto Quero-Quero, surgiu de uma ocupação iniciada em 1995. No local existia uma indústria de brinquedos que, após sua falência, teve suas instalações ocupadas por famílias de baixa renda. Devido ao seu crescimento descontrolado e desordenado, em 2001 foi criada a Associação de Moradores da Vila União com o objetivo de organizar a ocupação, delimitar os lotes, lutar pela regularização fundiária e exigir do poder público a implementação de infra-estrutura básica. Na época, a Vila União contava com 94 famílias.

Texto: Viegas Fernandes da Costa / Fotos: Biblioteca Comunitária da Vila União

 

 
< Anterior   Próximo >

Artigos já publicados

"Enquanto Isso em Dom Casmurro" de José Endoença Martins

capaProvocador e experimental, Enquanto Isso em Dom Casmurro, no tempo do seu primeiro lançamento, dividiu águas na literatura produzida no interior de Santa Catarina, e reaparece agora ainda mais atual, problematizando esta nossa sociedade do pastiche, das aparências, onde tudo pode ser valorado pela plástica e pela capacidade de se tornar mercadoria, inclusive a própria Capitu, que paga com seu corpo o cachorro quente vendido na esquina.

Leia mais...